St-Barthélemy: do turquesa ao rosé

Diz o ditado que o Mundo Gira, e Saint-Barthélemy (St. Barts para os anglófonos e Saint-Barth para os francófonos) que já foi das ilhas com a população mais pobre do caribe, hoje é das ilhas mais elitistas da região (dizem que hoje apenas Mustique é mais).

Mas mesmo os mortais que não podem pagar diárias que começam em USD500 na baixa temporada em hotéis ou alugar villas pagando  pelo menos EUR15mil por semana podem aproveitar a ilha dos bacanas. O Ricardo Freire explicou direitinho que Saint-Barth também é dos plebeus aqui e comprovado aqui, e foi seguindo estas dicas que fomos parar em um dos locais mais paradisíacos do mundo, obrigado VnV! E olha que no dia que chegamos poderíamos ter encontrado Sir Paul McCartney, seria um bom presente de aniversário :D.

O vôo de Newark (EWR) para Sint Maarten (SXM) leva apenas 4 horas, que está no mesmo fuso horário de NYC. depois da passagem pela migração e check-in na WinAir, pegamos o vôo de cerca de 10 minutos no pequeno avião (foto acima) até nosso destino final que seria o Aeroporto Gustav III (SBH) – que tem a segunda menor pista do mundo. E como pode-se ver, ao sair de Sint-Maarten e ao chegar em St-Barth o mar já mostra o que está por vir.

A capital Gustavia (na pronúncia sueca a sílaba tônica é no “ta” enquanto que hoje os francófonos estressam o último “a”) é onde estão a  maioria dos bons restaurantes, e claro o porto. O pôr-do-sol em Gustavia é belíssimo.

Quase todas as Praias:

Não há praias feias em St-Barth, que apesar de ser uma ilha pequena conta com várias. Para as explorar a maioria das pessoas alugam Jimnys ou Smarts (nós ficamos com um cabriolet), mas também vimos muitas pessoas de quadriciclos, uma opção que parece ser muito divertida.

Antes de ir as praias, muitas pessoas abastecem suas geladeirinhas (leve a sua) com queijos, croque-monsieurs, quiches, prosciutto, cervejas, vinhos e até champagne. Para o abastecimento, alguns dos lugares que gostamos foram:

  • Maya’s to go. Na Galeries du Commerce ao lado do aeroporto. Ótimo, porém as comidas começam a ser servidas apenas as 11:00.
  • Ao lado do Maya’s to go há um “supermercado” onde compramos baguetes, queijos, prosciutto, vinhos, champagne, e os apetrechos como pratos, “talheres” e taças 😉
  • La Rotisserie em St-Jean, normalmente fácil de estacionar. Tem ótimos croque-monsieur e sobremesas.
  • Kiki-é Mo fica em St-Jean próximo ao Nikki Beach, bom também para uma refeição em conta.

Saint-Jean é baia onde do lado oeste esta a praia do aeroporto, e do lado leste estão alguns beach-bars mais famosos da ilha o Nikki Beach, Sand Bar at Eden Rock Hotel, e o La Plage in Tom Beach Hotel.

Anse de Lorient é uma linda praia, que a entrada fica próximo de um cemitério.  A comunidade portuguesa da ilha (cerca de 1500 habitantes dos 8500 no total) vive em Lorient onde conseguimos ver uma tasca com uma placa da cerveja Sagres. Em Lorient está o JoJo um supermercado um pouco mais popular onde encontra-se artigos mais baratos, e também há um mini mercado logo próximo. A grande vantagem desta praia é que ao chegar nela pelo cemitério, virando à esquerda há uma casa que tem umas pequenas árvores que fazem sombra, o dono da casa apenas se incomoda se usarem a cerca dele para pendurar as toalhas e outras coisas :D.

Anse de Gran Fond não é uma praia feia, mas é uma praia inapropriada para banho por ser cheia de pedras.

Anse de Toiny onde está localizado o hotel Le Toiny (aparentemente o brunch de domingo é excelente) mas infelizmente não pudemos ir pela falta das duas formas de tempo. Aqui paramos apenas para tirar a foto.

Toiny

Anse de Petit Cul-de-Sac é uma pequena e charmosa praia. Vimos poucas pessoas nela.

Anse de Grand Cul-de-Sac não é a praia mais bonita mas se tornou a nossa favorita., certamente “under-rated” e “overlooked” por muita gente. Mas depois de um tempo, entendemos a razão de um dos resorts mais celebrados de Saint-Barthélemy o Hotel Guanahani & Spa estar lá, além do Le Sereno, e da opção mais “en conta” o Les Ondines. Gostamos bastante do restaurante La Gloriette. Aqui pode-se alugar jet-skis (fizemos o tour pela ilha, relatado mais abaixo), kayaks, e fazer outros esportes aquáticos.

Nós ficamos curiosos ao ver que na parte extrema leste da baía estavam alguns banhistas, mas que não parecia haver nenhum hotel por perto, ou seja a praia deveria ser pública. Olhando no mapa resolvemos ir até lá e nos demos muito bem.

A baia é uma “lagoinha” por conta dos corais que protegem Grand Cul-de-Sac das ondas do mar. Assim a água é calma e bem quente, além de cristalina e uniformemente rasa. Apesar da cor da água não ser o azul turquesa caribenho, Grand Cul-de-Sac é encantadora. Neste cantinho que descobrimos, vimos um churrasco por locais tugas bem regado à Super Bock e rosé.

Anse de Marigot é outra praia pequena de águas claras. Paramos apenas para tirar fotos e andar um pouco na areia, e percebemos que apenas os habitués a frequentam.

Como quase todas praias do norte da ilha, Anse des Flamands é desenvolvida e com hotéis e villas. Mas como quase tudo em St.-Barth, o bom gosto é mantido. Foi nossa praia favorita para caminhar por ter areias planas (várias das outras são bem inclinadas) e extensa.

Anse de Public e Anse de Corrossol onde estão praias dos locais. Chegamos aqui um pouco que por engano procurando algum lugar bom para ver o por-do-sol, e procurando um dos restaurantes mais tradicionais da ilha o Maya’s. Mas, acredito ser um lugar interessante para somente uma “passadela”.

Anse de Grands Galets (Shell Beach) é a praia mais próxima da capital Gustavia e é onde está o Do Brazil no qual pode-se comer bem com um mar lindo à frente. Pode-se pagar EUR10 pelas cadeiras de sol. Mas como somos brasileiros e plebeus, depois de um belo almoço, conversamos com um garçom que falava português e levamos a cadeira na faixa ;)!

Anse de Grande Saline é uma linda praia que felizmente conta com pouco desenvolvimento, apenas alguns restaurantes que pode-se chegar à pé, mas o cheiro da salina (daí o nome) nos fez evitar estes restaurantes apesar de alguns como o L’Esprit de Salines e o Meat & Potatos terem sido bem recomendados. Lá as pessoas levam suas geladerinhas e fazem “farofadas reais”. À noite, antes da entrada da praia e logo após o restaurante Grain de Sel, a vista do céu estrelado é fenomenal!

Anse de Colombier é a mais remota, e chega-se nela apenas pelo mar, ou por trilhas. A trilha que começa no final da vila de Flamands após o Auberge Petite Anse é a mais tranqüila:

Quando chegamos na praia, percebemos que o esforço dos aproximadamente 20 minutos de caminhada são recompensados. Como quase todas praias de St-Barth, não há sombra, porém há uma rocha (quase que como uma caverna) que abriga um pouco do sol, chegar cedo é a dica para pegar a “cabana natural”.

No canto direito da baia os turistas fazem snorkeling (leve seu equipamento). Não consegui ver muita coisa apesar de dizerem que há de tudo, mas ainda assim foi divertido:

Anse du Gouverneur é uma praia que tem um azul turquesa alucinante. Também não conta com desenvolvimento urbano apesar de alguns billionaires terem propriedades por lá.

Assim como em Salines e Colombier, as pessoas vão para lá com suas geladerinhas e passam horas – ou o dia todo – apreciando aquelas cores incríveis. Foi onde passei meu aniversário :-). 

Gouverneur

Fizemos o tour de Jet-ski ao redor da ilha. Foi interessante, mas o mar se mostrou muito mais “choppy” que esperávamos. Agora entendo o motivo das pessoas recomendarem fortemente ir de avião e não de ferry para a Ilha.

Onde comer: Há diversas opções e em geral os preços são de Paris, mas a qualidade também. Além dos lugares listados acima para o abastecimento, outra opção em conta é o La Creperie no centro de Gustavia. Reforçando, pé na areia gostamos muito do La Gloriette em Grand Cul-de-Sac. O Bonito, que conta com excelente ambiente, ótimos drinks, e comidam; é uma excelente alternativa para ocasiões especiais, porém os vinhos são caríssimos, prepare sua carteira. O L’Entr’Acte se tornou um de nossos favoritos fomos duas noites lá os preços são super justos. Gostamos muito também do Wall House que tem excepcional carta de vinhos (para todos os bolsos), ótimo Crème Brûlée, e serve no final um rum excelente.  Organize-se para o domingo, poucos lugares abrem.

Ficamos hospedados no Salines Garden Cottages, que é super charmoso, fica próximo da praia de Salines mas longe para ir à pé. Jean-Philippe, o proprietário, vai garantir conversas muito intensamente intrigantes (ele também é proprietário de uma villa para bacanas, daquelas de EUR15Mil+ por semana) e demos sorte de conhecer pessoas simpáticas e interessantíssimas por lá, recomendadíssimo!

Anúncios

9 respostas em “St-Barthélemy: do turquesa ao rosé

    • St-Barth é perfeita para lua de mel, mesmo que não seja a primeira delas 🙂

      Acho que é virtualmente impossível não gostar de lá. Praias paradisíacas, restaurantes ótimos, pessoas simpáticas. A única coisa que alguns parisienses reclamaram para nós foi que os menus dos restaurantes são muito parecido com os de Paris, ou seja, pouco autenticamente caribenhos.

  1. Ola, otimo relato, estou anotando tudo.
    Devo ficar uma semana em st. barth por sua causa,rssss.
    Vc foi a anguilla? Estou reservando 2 dias para la, nao sei se é pouco. Em st maarten pretendo ficar uns 5, fazendo o total de 14.
    Aguardo.
    obrigado
    claudio

    • OI Claudio

      Fomos diretamente para St-Barthélemy, ainda não conhecermos nem St Maarten nem Anguilla. Mas pelo que falei com amigos que conhecem, e pelas pesquisas tanto no VnV quanto em outras fontes, eu deixaria apenas uns 2 ou 3 dias para St Maarten e o resto para Anguilla. 1 semana para St Barth vc vai conhecer tudo e com calma. De qualquer forma todas as 3 ilhas que vc quer ir são muito bonitas, apenas tenha em mente que St Maarten é mais o destino de grandes cruzeiros, turistas que querem ir para casinos, enfim, menos romântico.

      Abc

  2. Olá Phil,

    Você respondeu a uma pergunta minha no comentódromo do Viaje na Viagem.
    Cheguei no seu blog (fotos lindas!) à procura do seu e-mail, pra tirar algumas dúvidas a respeito do site de vendas de ingressos pro jogo de basquete. Mas não encontrei! Você pode me ajudar?

    Aline

  3. Ola, vc recomendaria essa pousada ou teria alguma outra indicaçao?
    Estou propenso a ficar la por conta da piscina tb, para pos praia aproveitar o sol ao maximo.

    vou ficar uma semana ,entao acho que é tempo suficiente para aproveitar cada pedaço.

    ainda vou ficar 5 dias em st. maarten e 2 em anguilla, acho que ficou boa a distribuiçao.

    • Claudio

      Conforme escrevi acima, recomendo sim o Salines Garden. Dá uma olhada no tripadvisor que a maioria das pessoas também vão recomendar. No VnV, o Ricardo Freire fala do Auberge de Terre Neuve que pelas fotos parece não ser tão charmoso quanto o Salines. Passamos pelo Auberge de la Petite Anse para ir para Colombier e vendo de fora também tivemos a impressão do Salines ser melhor. Não estranho o jeitão do Jean-Philippe ele é meio seco, mas é gente boa, hehe.

      Uma semana é suficiente para conhecer bem a ilhas e suas praias. Quanto a distribuição dos dias, depende de cada um né? Mas se der deixa St Barth para o final, dizem ser a melhor delas.

      Abc!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s