Turquia: Planejamento

Com uma história que é tão longa quanto a da humanidade seria impossível visitar todos lugares que gostaríamos. Neste post vou explorar o planejamento da viagem e vou depois em vários outros relatar nossa experiência neste incrível país.

1 – Planejamento

2 – İstanbul 1/2

3 – İstanbul 2/2

4 – Capadócia – Kaymaklı, Derinkuyu e Vales Soğanlı

5 – Capadócia – Passeio de balão, Vale dos Monges, Zelve, Vale da Imaginação e Göreme

6 – Capadócia – Castelo Uçhisar, Vale dos Pombos, Çavuşin, Mustafapaşa

7 – Egeu – İzmir, Claros, Afrodísias e Hierapolis-Pamukkale

8 – Egeu 2/2

9 – Conclusões

A nossa viagem para a Turquia começou em 2008 quando iríamos fazer uma “viagem de despedida” quando morávamos em Portugal e os 2 finalistas eram Egito e Turquia.

Depois de tanto tempo o catalizador de nossa viagem em Março/Abril de 2013 acabou sendo uma exposição em Izmir. Unimos o agradável ao útil somados aos ótimos preços que a Turkish Airlines estava oferecendo para a época.

Planejamento:

Resolvemos focar e viajar de forma que não ficasse parecendo com uma corrida de 100 metros livres.

A região de Izmir teria que ser a última “perna” de nossa viagem e queríamos também ir para a Capadócia. Com os cerca de 12 dias disponíveis ficaram as dúvidas de como dividir a viagem. Depois de pesquisar bastante aqui, aqui, principalmente aqui, fazendo perguntas para alguns outros blogueiros como as que fiz aqui, e levando em consideração nossos interesses e estilo de viagem, nosso roteiro final ficou assim:

Roteiro Turquia

İstanbul: 5 dias / 5 noites. Impossível conhecer uma cidade com tanta história em apenas 5 dias mas deu para ver os principais pontos turísticos e ter uma idéia boa da cidade. Dividimos nossa estadia em 3 noites em Sirkerci – de onde é possível explorar a “old town” à pé, e 2 noites na parte européia próximo ao Macka Parki.

Capadócia: 3 dias / 4 noites. Ficamos 3 noites com base em Göreme para explorar a região e a última noite em Kayseri já próximo ao aeroporto para nosso voo para Izmir. Eu não ficaria menos que 3 dias completos em uma primeira visita à região – assegurando 2 manhãs no mínimo para garantir a balonagem.

Egeu: 3.5 dias / 3 noites. Selçuk foi a nossa base para explorar a região. Se pudesse ficaria 1 ou 2 dias mais pois há na região diversas ruínas greco-romanas, uma mais linda que a outra.

Passagens aéreas:

Compramos as passagens Nova Iorque para Istanbul (JFK-IST), depois das 5 noites, Istanbul para Kayseri (IST-ASR), e Izmir para Nova Iorque (ADB-IST-JFK) pela Turkish Airlines. O trecho de Kayseri para Izmir (ASR-ADB) foi o mais complicado pois pela Turkish estava caríssimo (quase que o preco dos outros trechos todos) e teria escala em Istanbul. Pesquisando aqui, vi que a Pegasus Airlines e a Sunexpress (ambas empresas low cost Turcas) faziam o trecho de forma direta. Apenas a Sunexpress fazia o trecho de forma que deixaria nosso roteiro redondo, comprei a passagem mas já planejando um plano B. Como estaríamos com uma mala extra com a exposição ;), minha preocupação era com a restrição de bagagem da Sunexpress (15Kg por pessoa para malas despachadas e somente 6Kg na bagagem de bordo, informações aqui), comprei antecipadamente mais 20Kg (para despacharmos mais uma mala) e no check-in depois de uma boa chorada com a bagagem de mão conseguimos seguir.

A Turkish Airlines é uma boa empresa e a comida da classe econômica bate muita classe executiva por aí. A Sunexpress é uma low-cost, assim não se pode esperar muito dela, mas o importante é que viajamos sem escalas, de forma barata (no total USD75 para cada incluindo a bagagem extra) e a única empresa aérea até agora onde ouvi nos anúncios: “Ladies and Gentlemen, Girls and Boys”. 😀

Carro:

Alugamos carro pela Avis (minha empresa preferida do ramo) ao chegar no aeroporto de Kayseri pela explorar a Capadócia entregando antes do nosso voo para Izmir; e,  no Aeroporto de Izmir para explorar a região do Egeu entregando antes do meu voo de volta para NYC. Gostamos de viajar com flexibilidade ajustando os passeios conforme condições climáticas e muitas vezes mudamos os planos “on the fly” assim a opção de estar com carro nos deu a flexibilidade que gostamos. As estradas na Turquia são em geral muito boas e bem sinalizadas, porém próximo aos grandes centros as pessoas dirigem de forma bem agressiva. Os preços de aluguel foram justos (95 Liras por dia, ou cerca de USD52 por dia). Eu sempre recuso o segundo da empresa pois tenho a proteção do cartão de crédito e também tenho um seguro mundial anual que fiz aqui (mas que nunca precisei utilizar). No entanto, sugiro que cada um faça uma análise de que tipo de risco está disposto a correr e entenda bem o que cada seguro cobre.

Celular:

Por recomendação de nossos amigos turcos resolvemos pegar um sim card da Turkcell que todos disseram ter a melhor cobertura, o que foi um dealbraker para poder visitar sem preocupação as vilinhas da Capadócia. Pagamos  logo no desembarque no aeroporto em Istanbul cerca de 45 liras (se não estou enganado) pelo chip e vinha com 5 liras. Porém como utilizamos um smartphone (iphone no caso) aparentemente depois de alguns dias ele parou de funcionar (ficamos sem somente no último). Aparemente é necessário fazer um registro e pagar uma taxa extra para smartphones. Não entendi direito, nem meu amigo turco – que no entanto vive nos EUA – não conseguiu me explicar direito, se alguém souber, conta aqui! Teşekkür ederim. 😀

GPS:

Estava em dúvida se compraria o mapa da Turquia para o TomTom para iPhone ou utilizaria o Google Maps mais rede de dados pela Turkcell. A vantagem do TomTom é que não é preciso utilizar a rede de dados, porém resolvi arriscar e enquanto tinhamos celular estava ok. O problema é que o google maps não tem o modo GPS na Turquia (tem no Brasil e EUA onte já testei) assim não era ideal, mas funcionou com muito boa precisão.

Hotéis:

Em İstanbul ficamos 3 noites no Hotel Sultania em Sikerci, que está localizado muito próximo ao Palácio Topkapi, Museu Arqueológico, e outras atrações. Fizemos praticamente tudo à pé. Não é por acaso que o hotel está atualmente muito bem no ranking do tripadvisor.com: excellentes funcionários, quartos espaçosos e charmosos, localização ótima, e excepcional café da manhã. Voltaria sem pestenajar

As outras 2 noites ficamos no Park Hyatt Macka Palas. A localização do hotel não é a melhor para fazer turismo mas como taxis são relativamente baratos (mas cuidado que eles gostam de explorar os turistas, conheça o caminho ou já negocie preço fechado na partida) a localização não atrapalhou muito. O hotel é monumental e não cabia no meu bolso não, mas por conta de um cartão de crédito que tenho ganhei 2 noites gratuitas e mais status Platinum! Por conta do status e como o hotel não estava cheio ganhamos um upgrade no check-in para o Park Spa King Room e ficamos em um quarto com um banheiro espetacular. Recomendo também o hotel caso ele caiba no bolso ou exista a possibilidade de ficar nele “de graça” (there is no such thing as free lunch) como conseguimos.

Ficamos 3 noites em Göreme no Aydinli Cave House Hotel, que é um charmoso e relativamente pequeno B&B familiar. Também não hesitaria em voltar lá. Quartos ótimos, café da manhã justo, próximo do centrinho da cidade e de alguns restaurantes, mas acima de tudo atendimento espetacular. O Fatih (acredito que o gerente) nos ajudou muito em escolher os melhores lugares para conhecer com alguns fora do circuitão turístico, e o dono Mustafá foi sempre muito símpatico conosco (assim como todo staff). Todos estavam já falando algumas palavras em português e nos disseram que aumentou bastante nos últimos anos a procura por brasileiros. Nota 1000!

Em Kayseri dormimos uma noite no Ibis. Hotel de transição para o voo que tínhamos pela manha. Chegamos por volta das 9 da noite e saíamos as 7 da manhão. Hotel novo, padrão Ibis, sem muita a comentar.

Finalmente em Selçuk, ficamos no Hotel Bella. O hotel tem uma decoração interessante pois os donos são também comerciantes (e vão fazer uma propaganda, porém nada agressiva da loja deles que fica no mesmo prédio). Os quartos e banheiros são pequenos, porém limpos e o serviço muito bom. Os donos Erdal e Nasmi inclusive nos deixaram em Ephesus por uma entrada e nos pegaram na outra, assim pudemos fazer o circuito sem ter que voltar. Fica próximo das principais atrações turísticas da cidade e do centro onde há alguns bons restaurantes. Destaque para o restaurante onde é servido o café da manhã e tivemos uma ótima janta. O restaurante fica no topo do prédio de onde se tem vistas das ruínas da Basílica de São João Evangelista e dos ninhos de Storks, uma ave da família das cegonhas.

Língua:

Cerca de 84.5% da população usa o turco como língua materna, no leste do país 12% falam curdo, além de minorias que utilizam o árabe (no dia a dia, não na religião), zazakiarmênio, etc. Segundo o wikipedia, é a vigésima quarta língua mais falada por nativos no nosso planeta azul, por cerca de 70 milhões de pessoas. Porém, as línguas de Azerbaijão, Uzbequistão, Cazaquistão, Turcomenistão, Quirguistão, também são línguas turcas. A origem dos povos turcos é na ásia central e foram para a Anatólia há muito, muito tempo atrás.

Sempre tento aprender algo da língua local, mas principalmente saber ler o as palavras para poder pronunciá-las o mais corretamente possível. Para mim o turco pareceu uma mistura de alemão, árabe, russo e chinês (talvez coreano). Mas o importante mesmo é saber alguns detalhes:

C tem som de dj. Mesquita em turco é Camii (ou Cami) e se pronuncia Djami

O ı (sem acento) é semelhante ao â no português (e não i). O nome de nosso amigo Fırat é pronunciado Fârat

Ö e ü são como no alemão, deve-se contrair os lábios.

O ç pronuncia-se tch, como tchau. Selçuk fica “Seltchuk”

O h é pronunciado como hotel em inglês (Rotel)

S tem sempre som de s ou ss. Kayseri é “Kaysseri”

O ş tem som de ch (ou sh) como na palavra chá em português.

Ğ é uma consonante que não se pronúncia, ela serve para extender a vogal anterior. Beyoğlu se pronuncia Beyoolu.

Aqui há explicação mais geral em português (não muito extensa) e uma melhor em inglês aqui.

Moeda

A Lira Turca é a moeda oficial na Turquia, mas pode-se ter contas em Euros e Dólares Americanos. Nos lugares mais turísticos as 3 moedas são normalmente aceitas e em vários lugares você pode escolher em que moeda pagar (no hotel em Selçuk paguei a conta em Euros por exemplo e meu cartão de crédito – dos EUA  –  converteu os Euros para USD).

Para ver a cotação atual, no google digite “USD vs TRY” ou “EUR vs TRY”, onde TRY é o código da Lira Turca. Como a Lira Turca é uma moeda conversível e pelo fato de se poder ter contas nas 3 moedas acima mencionadas, em geral conseguimos trocar entre as 3 moedas muito facilmente, sem taxas exageradas, e com cotações muito justas, mais uma facilidade para o turismo.

Resumindo, levando tanto USD quanto EUR para a Turquia será conveniente, com uma pequena vantagem para o EUR para os pontos turísticos.

Preview de fotos:

O melhor ainda está por vir 😉

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s